quinta-feira , dezembro 14 2017

Carolina Maria de Jesus, escritora conhecida mundialmente, morou em Parelheiros; você sabia?

A mulher negra porta voz dos periféricos e excluídos da sociedade!!!

Texto e fotos/ Por Fernando Bike

Nascida em sacramento ( MG),em uma comunidade rural,filha de pais negros neta de escravos, em sua adolescência estudou até a segunda serie,ao longo de sua vida ,Carolina teve uma trajetória de luta pela sobrevivência, até conquistar sua independência .

Em 1937 sua mãe morre e Carolina aos 23 anos migra para São Paulo, para trabalhar como domestica questionadora não se adaptou as exigências do patrão, na qual se assemelhavam a um regime escravista, Em 1947, aos 33 anos, desempregada e grávida, Carolina instalou-se na favela do Canindé, na zona norte de São Paulo, Para sua sobrevivência começa a catar papelão, para vender e conseguir dinheiro para criar seus 3 filhos.

Mesmo tendo pouca leitura pega gosto em escrever, e relata o cotidiano dos moradores da favela e, sem rodeios, descreve os fatos políticos e sociais que via. Ela escreve sobre como a pobreza e o desespero podem levar pessoas boas a trair seus princípios simplesmente para assim conseguir comida para si e suas famílias.

Relatos estes que em 1960 vira um livro QUARTO DE DESPEJO.

O livro em uma semana foi vendido 10 mil exemplares.

Foi traduzido para 13 idiomas e vendido em 50 países.

Com o dinheiro consequentemente Carolina sai da favela e vai mora em Santana, mas não se adapta com os vizinhos e muda para um sitio na região de Parelheiros, Rua Henrique Hessel 1380.

Livros escritos por ela Quarto de Despejo (1960) Casa de Alvenaria (1961)

Pedaços de Fome (1963) Provérbios (1963) e mais sete romances, 100 poemas, além de quatro peças de teatro e de 12 letras para marchas de Carnaval.

Carolina Maria de Jesus faleceu em 13 de fevereiro de 1977, vítima de insuficiência respiratória.

“A amizade do analfabeto é sincera, o ódio também.”

(Carolina Maria de Jesus))

“O branco diz que superior. Mas que superioridade o branco? Se o negro bebe pinga, o branco bebe. A enfermidade que atinge o preto atinge o branco, se os brancos sente fome, o negro também. A natureza não seleciona ninguém.“(Carolina Maria de Jesus)

Sobre o autor do texto:

Fernando Bike é empreendedor social, defensor do uso da bicicleta como meio de transporte, mora em Vargem Grande, região de Parelheiros, e é uma das principais lideranças locais.

Ele aceitou, gentilmente, o convite para escrever para o Expresso!!

Sobre expressozonasul

Verificar também

Jogo de empurra-empurra impede que Casa da Mulher Brasileira de São Paulo seja inaugurada

Por/ Flaviane Fernandes De acordo com queixas dos principais Movimentos de Mulheres de São Paulo, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *